TOTAL DE ACESSOS

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

A ESTATÍSTICA DA MOENDA (por Jairo Reis)

Quem acompanha o meu trabalho no ambiente da comunicação já deve ter percebido a minha paixão pelos festivais e o hábito que tenho de compilar informações, curiosidades e números resultantes destes eventos. Sinto prazer em promover pesquisas e elaborar levantamentos cuja apuração eu "apelidei" de Estatística dos Festivais
Tenho esses dados de quase todos os festivais do Rio Grande do Sul e coloco a disposição dos interessados, caso exista mais alguém com esta mania.
Bueno. Quem lê o blogue Ronda dos Festivais ou escuta o programa Ronda dos Festivais, está sabendo que neste final de semana, de 08 a 10 de outubro, acontece na minha terra natal, Santo Antônio da Patrulha, a 34ª Moenda da Canção e a 10ª Moenda Instrumental, dois importantes certames de músicas inéditas.  
Mas, tu que estás lendo esta postagem, saberias apontar quem foram os protagonista da Moenda, no transcurso destas três décadas de história?
Pois é justamente para aplacar eventuais interrogações que o nobre leitor tenha sobre o festival, que eu produzi a Estatística da Moenda, cujo resultado eu publico a partir deste parágrafo.  
 
Mauro Moraes
Autores com mais primeiros lugares:
Entre os autores de músicas vencedoras da Moenda, o músico e compositor Mauro Moraes se destaca com o maior número de conquistas. Ele tem quatro Primeiros Lugares nas seguintes edições:
2ª:   Morada Noturna
8ª:   O Sul Por Vida
16ª: Milonga de Outras Bandas
31ª  Pensarolando
 
Seguindo Mauro Moraes, bem de pertinho, aparecem 4 compositores com 3 vitórias na Moenda:
Chico Saratt
     2ª:      Morada Noturna
    12ª:    O Medo
    26ª:    Conflito
Jaime Vaz Brasil
    3ª:      Milonga do Pendular Encontro
    11ª:    Muito Antes de Pasárgada
    28ª:    Amorável
Zé Alexandre                                 
    19ª:    Reticência
    25ª:    Água Boa de Beber
    28ª:    Amorável
Zebeto Correia                              
    27ª:    Por Onde o Rio Passa
    29ª:    Aprendizagem
    30ª:    Folha em Branco

Nenhum destes quatro autores participa da 34ª Moenda, portanto essas posições ficarão inalteradas por mais um ano, pelo menos.
 
No rol dos Melhores Intérpretes premiados na Moenda, aparecem 18 cantores e 13 cantoras, no entanto, a primeira colocação está dividida entre 5 intérpretes com 2 troféus cada um:
Daniel Torres foi o
Melhor Intérprete da 1ª Moenda

Daniel Torres:
                   1ª e 2ª edições
Ivo Fraga:                         3ª e 4ª edições
João de Almeida Neto:    5ª e 16ª edições
Kako Xavier:                    8ª e 18ª edições
Maria Helena Anversa:   12ª e 13ª edições
 












No quesito Melhor Instrumentista, quem lidera a estatística é o tecladista
Fernando Corona
Fernando Corona, com três troféus: 
3ª, 6ª e 10ª.

Com duas premiações estão:
Texo Cabral (Flauta):           1ª, 24ª
Jorginho do Trompete:         7ª e 10ª 
Luiz Carlos Borges(Gaita):  8ª e 15ª
 






A partir da 8ª edição a Moenda passou a premiar o autor da
Melhor Letra, oferecendo a ele o troféu que leva o nome do meu saudoso pai Jarcy Cândido dos Reis. Agradeço sempre à Moenda por esta rica homenagem ao “meu velho”.
Jaime Vaz Brasil
Voltando a nossa estatística, informo que desde  
aquela 8ª Moenda, o letrista que mais se destacou, com 4 conquistas foi o poeta:
Jaime Vaz Brasil:
8ª:      Coração de Milonga
11ª:    Muito antes de Pasárgada
13ª:    O Amor aos Olhos de Náufrago
31ª:    Bestiário da Sombra
 
Logo a seguir, aparece o letrista Martin César com 3 troféus obtidos nas 27ª, 29ª e 30ª edições.
 




Zebeto Corrêa

Somente a partir da 29ª edição, no ano de 2015, a Moenda passou a oferecer troféu ao
autor da
Melhor Melodia.
  Neste quesito destaca-se o compositor Zebeto Corrêa, com duas premiações conquistadas na 29ª e 30ª edições.
 


Ao longo desses 33 anos de história, um cabedal de 290 autores sentiram a alegria de participar da grande final da Moenda. Deste rol de poetas e musicistas, relaciono a seguir, aqueles que mais vezes tiveram suas canções entre as finalistas e, consequentemente, registradas no CD e no DVD oficiais do festival:
Jaime Vaz Brasil

    Jaime Vaz Brasil:
   23 músicas finalistas
Ivo Ladislau:           16 músicas finalistas
Mauro Moraes:       14 músicas finalistas
Vaine Darde:           13 músicas finalistas
Carlos Catuípe:       12 músicas finalistas
Fernando Corona:  11 músicas finalistas
Zebeto Correia:      10 músicas finalistas
 


Cristian Sperandir






Não posso omitir o fato de que a partir da 2011, surgiu a Moenda Instrumental, que da mesma maneira que a 34ª Moenda, está realizando a sua 10ª edição por estes dias em Santo Antônio da Patrulha.
Das 09 edições já realizadas podemos destacar os seguintes parâmetros:
O Autor Com Mais Vitórias é o compositor Cristian Sperandir, com 03 conquistas:
1ª:      Flamboyã
8ª:      Pampiano
9ª:      Elo
Próximo de Cristian, vem o patrulhense Samuca do Acordeon, com 2 vitórias, na 3ª e na 6ª edições.
Na modalidade Melhor Instrumentista, 10 músicos estão empatados com um troféu cada um.
 

Por último, e não menos importante é a nominata daqueles que integraram as comissões avaliadoras da Moenda, exercendo a honrosa missão de avaliar as canções concorrentes.
Nas trinta e três edições realizadas até agora, houve a participação de 153 pessoas na função de Jurado.
Colmar  Duarte
Os nomes
mais requisitados pela Moenda foram os seguintes:
Colmar Duarte (4):       3ª, 6ª, 14ª, 25ª
Arthur de Faria (3):     11ª, 15ª, 18ª
Francisco Alves (3):      2ª, 4ª, 16ª
Carlos Madruga (2):     16ª, 28ª
Chico Saratt (2):            11ª, 15ª
Jorge André Brites (2): 13ª, 14ª
Juarez Fonseca (2):        10ª, 20ª
Luiz Augusto Fischer (2): 15ª, 16ª
Mauro Moraes (2):          1ª, 3ª
Pedro Guerra (2):           14ª, 19ª
Robson Barenho (2):       13ª, 14ª
Sérgio Rojas (2):               3ª, 7ª
Zé Caradipia (2):             18ª, 32ª

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixa teu comentário, mas por favor, te identifica.
Grato e um baita abraço.