35º CARIJO DA CANÇÃO GAÚCHA

quarta-feira, 2 de junho de 2021

3º FESTIVAL DO ACORDEON EM SANTO ANTÔNIO

No próximo 13 de junho, Dia de Santo Antônio, acontecerá o III Festival do Acordeon, produzido pela Secretaria Municipal da Cultura, Turismo e Esportes de Santo Antônio da Patrulha, capitaneada pelo músico Cristiano Quevedo. 
O espetáculo instrumental será  transmitido ao vivo, a partir das 11h da manhã, pela página da prefeitura no Facebook.  www.facebook.com/prefasap

Em decorrência da pandemia, não haverá presença de público no local do evento.
O Festival do Acordeon foi criado em 2018 para valorizar este instrumento que é de grande importância para a cultura regional, tanto que foi instituído por lei como o instrumento símbolo do Rio Grande do Sul.
O espetáculo contará com as apresentações de seis consagrados gaiteiros gaúchos, cujos nomes são revelados a seguir:
  

BETO CAETANO


Músico, produtor musical, compositor com mais de 600 músicas gravadas e produtor de eventos. Com apenas 13 anos formou a dupla Os Guapos com seu parceiro Genésio Simão, viajando para São Paulo para gravar sua primeira obra em vinil, pela gravadora Califórnia.
Beto Caetano foi indicado ao Prêmio Sharp de Música no Rio de Janeiro e indicado ao Prêmio Açorianos de Música, em Porto Alegre. Em 1997 recebeu da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul o prêmio Teixeirinha na projeção urbano, e música nativista e regional na categoria de melhor instrumentista do ano. Além disso, o gaiteiro foi premiado em diversos festivais do Rio Grande do Sul e do Brasil durante toda a sua carreira.


CAROL DO ACORDEON


Cantora e acordeonista, tem 25 anos e é natural de Porto Alegre. Atualmente reside no município de Caraá. Despertou seu interesse pelo acordeon desde cedo, começando a animar bailes e fazer shows aos 14 anos. Atualmente Carol também trabalha como educadora em projetos sociais, além de ter seu próprio programa na rádio Itapuí, o “Encontro com Carol do Acordeon”.
Lançou em 2012 o seu primeiro CD, “O Grito do Tempo”, contando com um repertório de regravações, dentre elas obras de “Os Bertussi”, que são sua inspiração musical. Seu segundo álbum, “Lá onde eu Moro”, foi lançado em 2015, trazendo mais alguns clássicos e também músicas inéditas.


JOÃO VICENTI

Começou a carreira profissional em 1985 e, após ter ganhado vários rodeios de gaita ponto, chega a Porto Alegre onde deu aulas na Academia Brasileira de Música. Participou de festivais nativistas acompanhando cantores como Neto Fagundes, João de Almeida Neto, Elton Saldanha, Loma, sendo vencedor diversas vezes como melhor instrumentista. Em 1991 participou da segunda edição do Rock in Rio com sua gaita ponto e durante a sua trajetória teve participações em discos e shows de vários artistas como Luiz Marenco, Neto Fagundes, Kleiton e Kledir, Bebeto Alves, Fito Paez, Lenine, orquestra da ULBRA, Rock de Galpão, Skank e Jota Quest.
Faz parte da banda gaúcha Nenhum de Nós há 32 anos como tecladista e acordeonista, onde introduziu a gaita na sonoridade do grupo e foi indicado a melhor instrumentista pelo Prêmio Multishow e pelo Prêmio Açorianos de Música. Juntos, possuem 18 CDs e 5 DVDs gravados, sendo 2 CDs e 2 DVDs de ouro.


JONATAN DALMONTE

Acordeonista, compositor e arranjador, nascido no município de Dois Lajeados,  começou seus estudos de música aos 12 anos.  Aos 14 iniciou sua participação em concursos de gaita em todo estado do Rio Grande do Sul, onde ganhou vários prêmios de primeiro lugar. Desde 2008 acompanha importantes nomes da música gaúcha em festivais, onde obteve diversos prêmios como melhor instrumentista.
Lançou em 2010 seu primeiro álbum instrumental com composições autorais, chamado "Duo Pampa", juntamente com o violonista Rafael Sluminsky.  A convite de Luiz Carlos Borges, fez parte do projeto "Gaiteiros do Mundo" em Porto Alegre, onde participaram acordeonistas do Brasil e Europa. Desde 2017 se dedica ao projeto Pulso Livre, atuando em diversos festivais no Rio Grande do Sul e na Argentina com a proposta musical de levar o chamamé pelo mundo, incluindo novas interpretações e composições.


PORQUINHA E FERNANDO

Porquinha começou a tocar gaita com seis anos de idade, influenciado pela família e pelo amor à música serrana feita pelo Porca Véia e Os Bertussi. Em 2014 ingressou no mundo do baile aceitando o convite do seu ídolo, Porca Véia, para integrar o Grupo Cordiona. Atualmente, ao lado dos demais integrantes do grupo, dá sequência ao estilo serrano.
Também faz dupla com Fernando Montenegro onde o principal estilo é o dueto de gaitas. Fernando Montenegro começou a tocar e cantar com sete anos de idade e com 14 anos já tocou seu primeiro baile. Fundou o grupo Os Domadores do Fandango onde atuou até 2004. Logo após, ingressou no Grupo Cordiona, fazendo dupla de gaita com o saudoso Porca Véia.


SAMUCA DO ACORDEON

Nasceu em Santo Antônio da Patrulha/RS e é o único acordeonista que tem um trabalho voltado exclusivamente para o choro no sul do país. Samuca foi professor na Oficina de Choro do Santander Cultural em 2017 e 2018 e atuou ministrando oficinas de acordeon e choro em diversos festivais e universidades.
Em 2012 participou de festivais de Folclore na França e Suíça lançando o DVD Fala Agora, uma parceria com o violinista Ricardo Herz. O álbum já foi lançado no MIMO em Paraty/RJ, Festival Internacional de Acordeon de BH, Festival de Inverno de Viçosa - CE, Itaú Cultural - SP e no programa SR Brasil de Rolando Boldrin. Também lançou um CD ao lado do Regional Imperial em 2017, que conta com a participação de Yamandú Costa, Paulinho Fagundes e Ayres Phottoff. Com o grupo Sexteto Gaúcho, em 2018 gravou o CD Bicho Solto. Em 2019 foi vencedor do Troféu Açorianos de Música como melhor instrumentista no gênero MPB.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixa teu comentário, mas por favor, te identifica.
Grato e um baita abraço.