quinta-feira, 16 de abril de 2015

OUTRO IMBRÓGLIO



Não bastasse a polêmica instalada após o manifesto do compositor Adão Quevedo, cujo teor reproduzimos aqui neste blog, no qual ele traz a luz uma divergência nos critérios utilizados por pelo menos um jurado do 31º Reponte da Canção, agora surge um fato novo e não menos grave, dando conta de uma possível apropriação indevida de propriedade intelectual.
Vamos ao fatos:  No Pérola em Canto  (equivalente a etapa regional do Reponte) a composição "Flor de Borracheira",  foi inscrita pelo músico Rodrigo Spiering, que se credenciou como sendo seu único autor. O "rasguido doble" obteve classificação e foi apresentado como concorrente no festival.

Vejam o link:  https://www.youtube.com/watch?v=GfarWcT7Chc

Ocorre que o músico, Don Douglas Borges, em comentário publicado no seu perfil no Facebook (e reproduzido pelo blog do amigo Léo Ribeiro), afirma que a referida música "Flor de Borracheira" é de sua autoria e que a mesma já teria sido gravada há mais de 2 anos (realmente ela está postada no Youtube desde 10 de maio de 2012 e já teve 269 visualizações).

Taí o link:  https://www.youtube.com/watch?v=2IAxvwwhJh4

Cabe esclarecer que os organizadores do festival Reponte da Canção não tem qualquer responsabilidade sobre esta fato. Caberia ao prejudicada formalizar uma denúncia em tempo hábil.

A questão  está posta.
O espaço está a disposição para os envolvidos manifestarem-se.
Comentários igualmente serão muito bem vindos.




2 comentários:

  1. Bom dia Don Jarro! Lendo esta postagem, até com certo atraso, e ao enviar 03 composições à 23 sapecada de lages, percebi ao verificar as.composições inscritas que lá está, de novo quem: - Flor de borracheira, letra e música de compositores da querida São Lourenço. Casualidade? Deixo a disposição meus dados pessoais mas, para não prejudicar minha inscrição no referido Festival, quanto não evidenciar inscrição, prefiro não citá-los. Abraço meu"ermão! "

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite,
      Realmente esta composição foi "musicada" no ano de 2012, tal qual o sr. Douglas Borges, gravou uma das gaitas junto comigo em minha melodia. E nos anos seguintes vinha tentando classificá-la "apenas no Pérola em Canto" linha interna do Reponte, sem saber que já haviam postado no youtube, pois todo músico sabe que não pode concorrer em festival algum se já estivesse em algum método de comunicação.
      E quero deixar bem claro, que esta música se classificou pela "primeira" fez em um festival, ficando em último não classificando para a final, ou seja, ainda estaria inédita por que não será gravada em CD e nem em DVD do Festival.
      Já que o sr. Douglas Borges se intitula melodista, deve ter algum número de registro.
      Então sem mais a declarar, segue a baixo letra e notas da melodia apresentada no Pérola, conforme última postagem no youtube, pois se prestarem atenção esta diferente da primeira.

      Flor de borracheira
      Frase inicial: B C B C B A G F# E
      C B7 Em B7 frase C B7 E B7 Am G B7 Em


      B7
      De madrugada pica o fumo pro palheiro
      Em
      Já co’a mão no isqueiro, de vereda uma pitada
      D7 G
      E a fumaça sai virada, em direção da chaleira
      E7 Am
      Chorona faceira, pru’m mate grongueiro
      C B7 Frase B C B C B A G F# E
      Cevado campeiro, ao som do rádio de pilha
      B7 Em
      No clarear da lamparina, põe o freio no bagual
      E7 Am
      Pisoteando o pastiçal, no encilhar abagualado
      D7 G
      Pra’o rumo do povoado, no balcão da pulperia
      C B7 Em Am D7 G
      Num galope de a la cria, de compasso champorreado.

      G E7 D7
      Já apeia desorientado, e abre o grito no bolicho:
      G
      -Serve um liso à capricho, pra brindar essa ocasião
      Em Am
      E levanta bem a mão, morde o copo num só golpe
      A7 D7
      E em seguida o contragolpe, que já desce num pataço
      C G
      Afogando o embaraço, no chorar da “botoneira”
      D7 G
      Acompanhado da canseira, indaga o sono no balcão
      C B7 Em
      Escorado pela mão, numa flor de borracheira.

      Intro: C B7 Em B7 frase C B7 E B7 Am G B7 Em

      B7
      Com olhar de “saideira”, pra encontrar o chinaredo
      Em
      Estufa o peito sem medo, entrega o “cobre” invocado
      D7 G
      Como um sorro apavorado, dá demão no facalhão
      E7 Am
      Querendo briga no galpão, até da sombra se alvorota
      D7 G
      Com seu andar cambota, pega o rumo da porteira
      C B7
      E o dia nem bem clareia, pra triste sina dos “parente”
      C B7 Em Am D7 G
      Coisa feia é o vivente, numa flor de borracheira

      Com olhar de “saideira”, pra encontrar o chinaredo
      Em
      Estufa o peito sem medo, entrega o “cobre” invocado.

      Desde já agradeço a atenção.

      Excluir

Deixa teu comentário, mas por favor, te identifica. Grato e um baita abraço.